Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Passa Por Lá

Passa Por Lá

01
Fev17

fevereiro!

Carolina
Colado ao maior mês do ano, chega devagar o mais pequeno...
Eu mais atenta a começos, criei em mim a rotina de agradecer ainda com mais consciência ao que conseguimos levar connosco, em cada inicio de mês que por mim passa.
Talvez depois de perdas, medos, sustos e páginas em branco que se colocam em frente de nós a gritar ansiosamente por serem escritas, as pequenas coisas façam sempre e cada vez mais sentido. 
A gratidão de na maior das tempestades conseguri encontra a mais gigante bonança e de a poder trazer a salvo desde 2016 é tão grande que nenhuma palavra de agardecimento ou fascinação a pode explicar. 
Começar um mês na certeza que todos os exageros que sinto, dos minúsculos e quase banais, aos que me afagam o peito, é ter por vezes uma tranquilidade quase estranha, de que mesmo não adivinhando o futuro, saber só porque sim que tudo vai dar certo. 
Fevereiro começa e eu continuo os meus pequenos passos nos meus grande projectos, continuo a perder-me entre o excesso de energia e a preguiça da falta dela, entre os abraços muitos que tenho recebido, que nunca tinha notado serem tantos, embora me acompanhem há tanto tempo.
Permito-me todos os dias e cada dia mais a perder-me de amores, com todos os riscos e mais alguns que possam nessa perda existir...
 
Olho para fevereiro e quero que seja como janeiro, um tempo de relativizar o que não podemos controlar e uma coisa de cada vez vamos fazendo, arrumando e tentando resolver.
Pés na terra e no caminho, com a crença viva, que cada recomeço é a prova de que se supera quem não desiste da sua caminhada.
Quero que Fevereiro cresça comigo no melhor de mim e me mostre como exagerar nas coisas boas não é de vergonhas é de aprendizagens.
Passa por nós fevereiro, que cada dia do teu pequeno mês seja um exagero de vida, afinal de contas diz que fomos feitos para viver... viver muito!





 
 
 
 
05
Jan17

da vida e do amor

Carolina

A vida  pode ser uma montanha russa, atrevida, apressada, também parada e tranquila. Oscila como um doente bipolar entre altos e baixos, troca de roupa e de sapatos, magoa e dá alegrias extremas, e o que dizer? 
- Dizemos, é a vida! 


O amor é muito igual, avassalador e galopante como qualquer paixão fatal, tranquilo e pacificador como um amor maior, veste e despe roupas, anda de ténis e de botins. Consome em sofrimento e compensa em tanta felicidade. 


Podia passar por mil palavras, sensações ou sentimentos, tentar preencher páginas e páginas com descrições capazes de ficar perto de contar o que é a vida, capazes de mostrar o que é o amor...
Podíamos encontrar por lá as melhores e as piores, intensas e cortantes palavras e verbos, podíamos tudo e mesmo assim em vão . 
Da vida e do amor, mais que escrever, importa dar e receber... semear e colher. 
Esperar, contemplar. 
Usar cada pausa e cada furacão na plenitude, apreender a aceitar, que o tempo é sábio em dar a tudo o seu devido lugar. 

Do amor e da vida, o melhor vem de dentro...escolhe como passas por ele, e será tão mais fácil viver feliz!
 
e depois, depois acredita.
E no incerto calmo dos dias, o melhor do mundo acontece mesmo...


 
créditos do texto em imagem @ás nove 

 
 
22
Set16

{ acredita no que está destinado...}

Carolina
 
- acredita, o que é teu, está destinado! (repeat mode) 
 
nos últimos dias ouvi tantas vezes, a palavra destino, tantas vezes junta da palavra teu. 
ouvi tantas vezes, nuances do destino, como destinado... sempre coladas à palavra acreditar. 
 
nos últimos dias, vi tantas vezes o desespero de pessoas com o coração às vezes mais apertado que o meu a querem fazer-me acreditar num destino que na sua cabeça me consolava de todos os males do meu mundo.

vi algumas vezes, menos que tantas, o olhar de quem acreditava que o meu destino só dependida de mim! (grata por tanto)
 
acreditar no destino é a certeza que somos o arbitro de jogo, a capacidade de escolha de um caminho, a força de o fazer, mesmo quando seguimos descalços, sem roupa, sozinhos, sobre pedras ou sobre tempestades. aprender que seguir caminhando é sempre desafiante, seja boa ou má a estrada por onde vamos. ´
 
acreditar no destino é olhar para dentro, descobrir no que somos a pessoa que nunca nos vai deixar, acreditar no seu papel principal, mesmo quando alguns duvidam que seja possível. é arrumar todas as gavetas, guardar o melhor e o pior, aceitar que o destino é uma roda gigante, sempre entre a melhor vista para o horizonte e o mais baixo que se pode cair. 
que fazer com isso?- aprender, crescer. o que se ganha?- elasticidade, limites mais distantes. 
e sem saber como, perceber que de cada vez que achas que não suportas mais, que não consegues, encontras um pouco mais de força, onde nem sabias que ela existia.  (bem dizia a M.)
depois disso, sabes que pode custar, que pode doer, que pode ser quase o pior de tudo, mas que vai passar, num ano, em muitos, num dia... certo é que passa.

aprendes com esse destino, o teu,  que não é bem o mesmo em que todos querem que tu acredites, que podes muito, podes mais, que há coisas de que não se morre, que há lutas que te marcam, mas que aparecem para te mostrar que resistes, se resistes existes, se existes és melhor do que poderias pensar,
 
acreditar é sem dúvida uma bênção, o destino a fatalidade que muitas vezes cura angustias e mantém a  fé, outras vezes, a força que precisamos para querer fazer dele o que queremos que ele seja...
o que é meu, meu será, a mim vem, a mim virá... não virá porque o destino mo vai querer dar. vem porque caminho todos os dias para que assim seja...
 
 
29
Ago16

caçador de sóis

Carolina


o mais bonito que já vi...
a correr ou a marcar passo, respirando de uma vez todo o tempo, o que já não tenho, o que vou ter.
braços abertos, entre aventuras sem fim à vista, cabelos soltos, encaracolados em histórias de encantar que não existem mais.
ponho os olhos de soslaio no céu, deito-me no chão e olho para dentro, estou comigo.
inspiro um ar quente, expiro todas as vontades.
não te posso por no meu bolso, não te posso levar nas costas, não há mochila onde caibas,  mas posso seguir todas as tuas dicas....
posso Dar-te a minha pele, deixar as minhas sardas ser protagonistas do meu verão, encontrar na tua luz o brilho até aqui fugido dos meus olhos...
em passos pequenos  posso fugir e continuar a correr para ti, sem certezas de caminhos certos ou necessidade de qualquer mapa,sigo para Este onde nasces.
um só entre tanto céu, todos os céus do mundo para correr em voltas que nunca se esgotam, estações que sempre mudam, ao meio dia a sul, a oeste no final, afinal para onde vais tu, sem sair do mesmo lugar?

Ser o que eu quiser na certeza que estás aí amanhã...ir em busca de ti para qualquer parte, encontrar todos os teus "tus", num momento captar a esperança e partir para o teu próximo nascer.
parar dois minutos num trilho qualquer, esquecer que existe tempo. tocas o meu corpo, não te tocarei nunca com a força do corpo que parte para te caçar, a ti Sol.
com um pouco do que és na mochila ou dentro de mim, depois de ter corrido tanto para ti, enquanto te sei em qualquer céu, para quem te quiser sentir, enquanto te vejo sempre, mesmo aqui, ou de qualquer outra janela.
ficar contigo em tantos lugares, esquecer-me que não sou de nenhum deles, por não importar muito ser de qualquer sitio, por não sermos de lado nenhum, quando seguimos em frente.
busco a tua luz em tantos dias que nascem, quero prender-te em tantas photos na esperança vã de isso ser possível.
sou um caçador de sóis falhado, com a missão impossível de chegar mais perto todos os dias do mesmo sol, vestido de outro dia qualquer.

falharei todas as vezes como caçador de sóis, não serão poucas ou pequenas. serão histórias, de que quem quer caçar o sol e acaba a conhecer o mundo!





30
Set14

inspira-te

Carolina

pequenos passos, pequenos gestos, pequenas ideias, sonhos, coisinhas... imagens que guardamos, caminhos que fazemos, com a inspiração de vamos encontrar escondida no local mais próximo que conhecemos, dentro de nós mesmos... 
a cada tarefa tua, a cada gesto de dares a ti, de dares ao outros, a cada copo de sol que bebes pelas manhãs, e a cada luz que fazes brilhas mais, inspira-te, em ti, de ti para ti, nos outros, serás depois, e por certo, inspiração, inspiradora, de ti, de outros...
inspiração essa brisa que nos envolve como uma furação que nos move rumo a um caminho novo.... esse andar com mais amor por nós, e para com mais amor para os outros receber... 
inspira-te, a cada dia de começa... a cada recomeço....

20
Ago14

Encontro com o Vietname!

Carolina

De norte a Sul um país de contrastes. 

Um norte mais caótico, um Sul mas ocidentalizado. 
Não se conhece um povo em dez dias ou se interioriza toda a sua essência, no entanto sinto-me capaz de falar sobre o que sinto na Ásia, neste caso no Vietname.
A barreira linguística não ajuda. É como se dissessem sempre que sim a tudo...e num mau inglês, ou melhor, numa estranha forma de usar o inglês. Alguns sorriem e acenam, alguns que não são do norte,mas sim do Sul... Photos com eles sim a troco de dinheiro.... Esquemas e mais esquemas, com passaportes, com tais, com bicicletas, com comida, com cabines de comboio... Mas não são o mais importante! A comida é boa, muito boa, barata, bem temperada,sal, pimenta, agridoce, lima, coentros (demasiados coentros), há cultura, energia citadina, calma interior, rostos e corpos tapados com panos as flores ou bonecos que mostram como não gostam do sol, olhares estranhos para os nossos cabelos, para os nossos pés... Hospitalidade e simpatia de quem quer levar o país para a frente, os jovens, que te pedem para falares inglês com eles em meio de parques, na passadeira (que não serve para nada)... Há o mar... A história, a guerra, poucos com Idade para falar dela... idosos só vimos em Hoi An, dali para o resto do país, meninos, jovens, meia idade... A terra dos leds, das luzes a piscar, da publicidade por tudo e por nada, do culto ao Buda e a Cristo, dos que falam como se tivessem de mal com a vida, cantam e resmungam de sotaque; um país onde dar tiros pode relaxar, e onde negociar umas coisinhas de recordação é mais difícil que sei lá. Há um país a renascer para os mochileiros, os filhos de quem cá esteve na guerra, os com a idade dos meus país, os que sabem que o sudoeste asiático é uma pérola , já não imaculada e completamente deslumbrante de visitar, mas uma zona do globo com surpresas e encontros como o fantástico que tivemos com o Vietname!
Photos CA@Vietname
22
Abr14

relógios

Carolina
mais que a música dos Coldplay, que estou a ouvir enquanto escrevo, há em mim um gosto fecundo e estranho por relógios. viciante e eterno,  são peças que me ajudam a desenvolver a noção do poder de compra; gosto deles grandes, masculinos, coloridos, mais pirosos, metálicos ou de couro, gosto até daqueles que posso colocar no pulso sem pilhas. não sou de todo muito esquisita, (acho que só não gosto dos feios) um ano sem um relógio novo é como um natal sem prendas, isto para o meu lado pessoal mais consumista. sim ele existe, e às vezes confesso o meu gosto por ele. 

gosto de horas, gosto de sentir um tic-tac mais ou menos silencioso perto das minhas veias que noutro bater me dizem as horas do meu corpo. 
longe do lirismo e da beleza do tempo, há o desejo, a luxuria, a beleza de um peça, de um efeito, o ser pinderica  e ostentar mais um, novo, lindo, perto das tendências ou perto do vintage... mais um relógio na colecção, que ao fim de todas as contas nada mais é que isso.
junta-se este desejo materialista e parvo a uma lista de outras vontades, que nunca prioritárias mas com dignidade elevada de existência, vão sendo minhas e senhoras dos meus desejos. 
este relógio é mais um e ficava muito bem a passear pelo meu pulso... 
um dia aposto num negócio de aluguer de relógios e pinchbeck só para poder usar muitos e diferentes sempre que me apetece...
ando de olho neste, e na sua manada de irmão coloridos, andar de olho quer dizer que ainda faltam passos enormes para me decidir pela sua compra, e há uma lista de coisas ainda há sua frente, no que a necessidades mais básicas diz respeito...
fica a vontade, creio que o tic-tac não é muito diferente de outros, fica a nota, e o desejo, não vá uma alminha caridosa e fofinha ter vontade de me presentear e andar confusa nas escolhas... (não pode dizer que não acertou por falta de dicas... :) :)

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D