Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Passa Por Lá

Passa Por Lá

07
Jul14

encontro(s)

Carolina
às vezes aprendemos a mudar a nossa visão das coisas, 
tenho aprendido aos bocadinhos a não olhar para todas da mesma forma, a não querer que todas sejam comigo, e as que são aprendo todos os dias a escolher a importância que lhe quero dar. 
se tem sido fácil?
definitivamente não, nada. 
tenho sido personagem principal nesta rota de aprender e tenho contado com muita ajuda, alguma declarada, outra de tantos que nem imaginam que me ajudam de muitas formas. 
acredito que o encontro comigo mesma tem sido  o melhor aliado nesta busca. de lá para cá tenho-me encontrado muitas vezes, em muitos pontos do mundo, em muitos dias, de muitas formas. uma constante é que muitas vezes na solidão destes encontros, estás tu também comigo. (a percepção do vento, da sua mudança de direcção, da sua força ou calma... é o encontro com o tempo e com a maior de todas as certezas, a da constante mudança....)
Adam’s Peak (Srilanka,2013)

estás comigo nas subidas, nas caminhadas, nas miragens, nas gargalhadas, nos sonhos, nas photos e nas viagens... estás comigo quando não estás, quando não sabes, quando eu me esqueço, quando não me lembro (sim., não são o mesmo)... quando passo por lá! 

num destes ou em tantos encontros aprendi uma nova definição de amor, para lá da efusão e da companhia agitada em tudo o que se acha que existe para ser vivido com os outros, há um equilíbrio
maior.
o meu amor sabe habitar comigo a minha solidão.preenche-a sem a afectar, sem querer ser mais importante do que ela, sem disputar a sua atenção. 
tu sabes estar Só comigo, eu sei estar Só contigo... descubro amor nesses momentos, onde o silencio não ecoa nos nossos corpos, nem se compõe dos nossos pensamentos. aprendi na solidão com o meu amor a não pensar em nada, mesmo que por breves momentos, aprendi que é possível, sem querer descobrir de forma repetida porquê. 

há nestes momentos, na reflexão que lhe faço à posteriori uma certa calma... uma harmonia que chamo de plenitude, o momento feliz. 
porque não me alongo em discussões sobre a felicidade, que só existe na totalidade para ingénuos e muito loucos, a baixo do elevado grau de loucura vivemos os momentos e sabemos de forma consciente, racional e reflectida, que muitas vezes a felicidade nem é o que procuramos. somos racionais de mais para aguentarmos tanta felicidade junta (sorrisos) somos racionais que procuram com muita tenacidade uma felicidade muito exigente, preferencialmente carregada de produtividade, pro-actividade, comunicação, perfeccionismo e espírito de equipa.... (gargalhadas). depois somos tão racionais que temos medo de dizer que somos felizes, não vá alguém ter inveja, rogar-nos uma praga ou deitar-nos um mau olhado e levar tanta coisa boa de nós para fora (agarrada à barriga a rir). 
e pronto diz que é mesmo assim.... 

e acabei de me perder no maior objectivo deste texto, que supostamente se devia focar no encontro comigo e na sorte de encontrar  por tantos lugares por aí, perto de quem mais gosto, junto ao mundo onde pertenço. 
continuo a saga deste caminho, desta aprendizagem iniciada , onde não há fim à vista, ou miragem do ponto onde termina... e onde o não final lhe dá sentido, combustível e força para que continue, que passe por lá, que se engane, que se queixe, que se contemple, que se enalteça, se esmoreça, e descanse, no melhor dos silêncios, aquele onde o amor pode muito bem habitar em carne e osso, e ser forma do mesmo.... no silêncio onde se alinha o encontro com o nada que nos limpa a alma e nos dá espaço para continuarmos a ser nós....

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D