Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Passa Por Lá

Passa Por Lá

02
Abr09

confusão e sensibilidades

Carolina


Algures onde todos os cheiros se cruzam, onde o pó se confunde com a névoa da manhã, e a chuva teima em mostrar a força de uma natureza alterada por uma civilização que embora pouco civilizada, tem o dom normal de interferir com o tempo, a sensibilidade emerge em tempos e a formas dispares, tão densas como leves, tão profundas como evaporantes...


Não escolhem tempo, nem ruas, nem cores, nem o comboio em que vão seguir, pois certo, quase tão certo como que pode chover, é que qualquer um deles vai atrasar...


Cheira a carne, a peixe, a pó, cheira ao mesmo tempo a uma pobreza e podridão que não se entende de tão misturada que está na cor desmaiada das paredes quentes, e garrida dos tapetes, dos colares, das contas e de todas as histórias.

Perturba e confunde o som dos tambores, das cornetas, das correrias, das mulheres das motas, do próprio ar que parece que assume ruído próprio... forma de ser e de estar, toda a envolvência assume personalidade entra por ocidental a dentro como que consumindo, mas na verdade está progredindo enquanto se entranha... e natural se torna...

Caril e fumo, dissipam-se sobre a luz espelhada de uma praça que muda em minutos, onde do alto se veem formigas a carregar tabuas, ferros, bancas e comida, por entre ultrapassagens perigosas, de burros, carros de mão,bicicletas e motoretas... As saias e os gritos das mulheres não se definem, umas e outras não teem limites, são como um só misto de linguas entrelaçadas a falar rapidamente como se aquele mundo acabasse amanhã, enquanto num segundo deixam soltar um ou outro som parecido com palavras de uma ou outra língua ocidental...

Cheira a homem em quase todas as ruas labirinticas de uma medida que mal se sabe onde termina depois de se entrar, cheira a sorriso, e toda a mulher ocidental sabe que para ser mais bela, pode andar por ali.

Trocam-se os passos com os olhos que em simultaneo se deixam levar atras do som da corneta, do gemido da orção e da balburdia de gente que não para, e de um tempo que não se conta...


Sensibilidades distintas de pensamentos afogados e a buscar a calma de um ou outro espaço mistico pela cor mas com ambiente de calmaria, ou seja de proximidade ao que chamamos de nossa civilização. Discordo da razão e da emoção de ser ou não ser mai sou menos bom o nosso lado ou o lado de lá, mas misturo em mim a sensibilidade unica de ter sentido o medo, o panico confuso de passar em ruas "iguais" sem saber como voltar a chegar lá, com a emergência de vontades e cores que tão depressa nos fazem voar para sabores ali ou noutro instante qualquer!!


A confusão entre todos os sentidos estende-se imagens fora e cores a dentro...não se resume só a estas palavras nem ficará por aqui... hoje no sol de cá, com a maresia que entra pulmões a dentro recordo para mim com vontade de encerrar numa caixa colorida de metal trabalhado por um marroquino desdentado, pequenino e pouco limpo, o cheiro da mirra, na banca do lado mais à esquerda da praça Djemaa El-Fna, mesmo na entrada principal da Medina, ou seja na primeira de 14 portas, o cheiro a Mirra, mesmo ali, logo ao lado de uma das muitas bancas de sumo de laranja.
A sensibilidade de hoje é mirra, quente e penetrante, que faz salivar, diante de uma janela espelhada que nos mostra que há sempre um lado de lá, um estar e ser mais além, um pensar mais a frente e o movimento que como o próprio tempo não pára...Mirra que purifica numa praça de folia, alegria, gula e extravagância onde outrora se erguiam cabeças decapitadas de criminosos e maus exemplos...
Confusão e sensibilidadeb com sabor a marrakech....

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D