Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Passa Por Lá

Passa Por Lá

20
Abr08

desenho de palavras

Carolina
As minhas palavras são de longe menos desenhadas que as tuas, alinhadas, simetricas, brilhantes e soltas as tuas são assim como que donas de uma beleza imperfeita...

Nas palavras, descubro como são diferentes as tuas, como são assim , desejadas, trilhadas, sentidas, caladas mudas e sincronizadas com este silêncio que me faz queimar num mudo desejo, que sei que descobres, mas esperas para o ver crescer....para veres mais desenhado na spalvras mais uma vez e outra vez...


O meu colo imperfeito aguarda o teu encosto, o peso do teu silencio, para se degustar de assombro calor e saborear o perfeito unissono de um momento vulgar, o meu colo imperfeito adora as tuas palavras, adoro embalá-las e acolhe-las, segurá-las e pautá-las numa melodia incerta que sempre conheces tao bem...

Acolhida num espaço diferente, vejo-me assim estranha como sempre fui, capaz de encontrar indefenições imensas para falar do que sou, para desenhar os traços e linhas do eu de palavras tortas, acolhida no quente do teu braço, no canto do teu olho, na macula do eu gesto, no fundo dos teus dedos, aninhada em ti, perdida no que sou e na chave qem que ainda não toco.

Acolhida no eu que não sei dizer...e sempre baloiçando no silêncio, neste que rejubila no canto dos meu solhos e os faz brilhar, no que não me exausta dizer que é doce e perfeito, e não como eu.... brilho como tu, espelhado de ti, que sempre estranho te encostas no mais estranho de mim, ficas e entranhas, crias raiz e como as folhas procuras a luz que poderá haver dentro de mim...

Poderia fingir muda e calada que nada passa aqui, que este desejo imenso que tantas vezes de tão intenso me afasta de ti, me dá medo e arrepios ao mesmo tempo...nos arrepios e nos medos, vou dançando nas tuas palavras, fazendo desenhos de histórias com elas, carregando a espera, a vontade de não te querer perder, a ansia de escrever sem parar de contar ao ventos estes todos os medos, de não querer fingir que és e continuar fingindo que não é louco o que alimento em mim, o que come este eu por ser para ti...

Afasto-me por instantes e transparente sentes, olhas nos meus olhos e sentes, a minha tez dispersa diz-te, perguntas porque, por onde ando e nada se responde, pois no fundo são os medos, medo que fujas, medo que vaz, medo de sempre esperar entre as tuas brilhantes palavras e os meus tortos pensamentos...
As perdas doem muito, e ás vezes antecipa-las também doí.... por agora nada dói...
O meu desejo recuperdao, ou melhor renascido, nas tuas palavras e nas cinzas de todo um passado, que tal como memso diz de um lá atrás, voltei a ouvir vozes, a sentir arrepios, a respirar a brisa da preocupação, voleti a ver dançar alguem até cair, voltei a saber esperar, voltei a não querer perder... trabalha tudo cá dentro, de uma nova forma, mas trabalha....

Fingir, falar, calar, esconder, não fosse real e transparente talvez...como não sou, vou balbociando nas tuas palavras, encantada com a sua textura, vou ficando aqui, passando notempo, regressando de cada vez que o medo e o desejo me afastam...


Tropega em palavras...como sempre eu...torta, pequena, rude e teimosa, como sempre assim, em mais uma e outra passagem...e como sempre tão pouco e tão pouca para dizer assim....para me desenhar em palavras que ainda não sei dizer!


11
Abr08

Angustia de uma semana que não esta, nem a outra que passou!

Carolina
A angustia passou....o misto turbilhão de emoções dos dias de uma semana que não esta, nem a outra que passou, mas a outra lá muito de trás, vagaram daqui...
a Angustia passou, foi-se, como olhar em frente agora, que parece facil, também facil foi a sua partida....
Não não foi, sei que não, senti que não.... foi, mas não queria ir, e lutei contra ela, mechendo em mim, buscando tanto esforço no fundo mais fundo deste baú que sempre me mostra as minhas fraquesas, desvirtudes e incapacidades, que me impedem tantas vezes de ser quem eu quero, de chegar ao lugar que escolho, encontrar a imensidão simples do meu destino, que não tem de ser necessáriamente angustainate....mas não o sendo sempre volta e meia passa por sê-lo.
Antes e lá atrás quando o tempo curto se mistura nas imensidões de tanto e de nada, fico arrumada numa nagustia passada, teimosa e forte, recuperavel, inegualavel, comcomitante que sabe de cor e de vendas no olhar o caminho até cá.
Nunca passa de vez, fervilha numa turbina junto com a minha insónia., apimenta os pratos de que me alimento, condimenta um espaço que nem sempre vejo, de qualquer forma e entre tantas palavras, diversas e dubias, ela foi-se...a angustia de um semana que não esta, saiu assim de forma nenhuma que se possa explicar para um destino nenhum de encontrar, sei lá mais o que dizer dela...talvez que não passe aqui de novo, que não regresse por mais nenhuma vez....
pasas e não passa nas voltas que passam por aqui, volta e não volta a angustia talvez doa, talvez se misture de forma estranha e dissipe no vapor condensado das nuvens.
O então não ....e talvez diferente... e talvez assim....e talvez nada....
Foi-se, ponto final... não espero que volte, não quero que volte, mas se o fizer, olhem se verá depois, não agora!
04
Abr08

Ironia

Carolina
.... "Tu, estás de Passagem" ....

...Quantas vezes vais ser tu capaz de fazer sair quem por engano entrou ?!...
1:
Abra a tua porta,

Não tenhas medo...

Sorriso no rosto...Alguem te quer falar...

Tens o Mundo à espera para entrar
Deixa o mundo girar...para o lado que quer, não o podes parar, não tens nada a perder...
Tu estás de passagem...

Reflexos... ouve essa voz... é a tua voz...

... Não tenhas medo....Tu estas de passagem...
Vai a onde queres, sê quem tu quiseres...

(aos outros que sabem que de cada vez que se acorda, nunca mais se acorda assim, e que me lembram que viver é nada mais que passar de um estado para o outro... agradeço por terem dito tantas vezes o que agora copio, adapato, reescrevo... com uma nova melodia, a do meu caminhar....)

2.
Chegas-te..., passos apertados...olhos embragados, .... pedis-te que te tocasse a alma... olhando para os meus...

Apertei-te contra o peito....

A noite, como (minha) companhia.... Até mesmo indiferente a quem és de verdade!!

Esquece o Teu Mundo Lá fora... é Hora de ir Dançar....
Esta noite, dança só para mim... que és dança não tenha fim....
São assas que me dás, e me levam Alto, Para Longe.....

ATÉ de Mim!!!
Estou de passagem...

De uma forma ou de outra "passa por lá" é mesmo isso..... passar assim, com a voz dos outros, as palavras de todos e o sentido de mim...para mim...para fora, para e por dentro e para o Mundo....
Enquanto tudo isso... DANÇA....

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D