Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Passa Por Lá

Passa Por Lá

09
Ago06

noites

Carolina
Está escuro. As noites transforamaram-se em infernos abrasadores mas escuros, uma vez por outra a lua redonda e bela quebra a ousadia da noite abafada e quente, e torna-a mais leve.
Tenho dado imensas voltas para dormir, tenho sentido como é dificil viver rodeada de insónias, pois a noite torna-se escuramente longa e ficamos ali, presos na sua longividade e em tudo o que ela consegue encerrar; sem dormir somos levados para a frente e para traz numa linha que sem sair do papel nos transporta para qualquer palmo de lugar...
Nos ultimos tempos parei nessas noites, os dias de luz e sol começaram a resumir-se nas esperas, na busca da brisa que teima em chegar e que não vence o subir abrupto das temperaturas.
Nas noites que passo, tenho ficado louca, transformo-me numa mulher psicótica que fala para si e que vai mais longe pois fala consigo, falando para fora, para um tu que não está fisicamente por ali mas que se materializa no mundo de uma forma qualquer...
Sussurro murmurios e palavras longas de som melancólico e as vezes sussuro os doces momentos que forma no tempo uma partilha...e ai falo contigo...
Não perguntes entre os teus pensamentos e as tuas poucas palavras como estou, não o faças e não ouses tentar descobrir, não me peças para não ficar presa, nem para desamarrar correntes pois elas são os algos que tenho aqui e agora a puxar pelas linhas que me levarão em frente e no agora que está para vir me poderão oferecer o que agora não posso pedir!Não deixes que a banalidade de um qualquer momento de relação igual e comum estrague o singular que um dia tivemos e não soubemos manter, porque os dias resolveram ficar maiores que as noites e porque fugimos ao já que chegava depressa...
Não falemos mais do que passou, e guardemos o que já não passa, o que foi sem explicação e que se resume na palavra momento...não o voltemos a pedir, não o voltemos a olhar; o ar que passa por aqui agora e parece parado vai de certo dizer amanha se algum de nós mais uma vez...na solidão ou na cumplicidade do que pode ser duo, ousa repetir e, num instante veloz, tranversal, lento ou simplesmente único passa por lá..

Sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D